Em Caruaru, no Agreste, casos de inadimplência diminuíram em 2013

 em Notícias

Dados da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) apontam que em 2013 houve uma redução considerável nos casos de inadimplência em Caruaru, no Agreste de Pernambuco, inclusive quando comparada a média registrada em todo o país.

De acordo com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), a inadimplência no Brasil encerrou o ano de 2013 com um aumento de 2,33%. Apesar disso, o acréscimo foi menor que o registrado ao longo de 2012, quando a inadimplência subiu 12,18% na comparação com 2011. Em Caruaru, o recuo no ano passado foi ainda mais significativo porque chegou a 2,24%, um dos índices mais baixos do país.

A desaceleração mostra que os consumidores estão tendo uma conscientização maior na hora de ir às compras. A dona de casa Mônica Xavier decidiu cancelar os cartões de crédito este ano. “Resolvi tirar todos os cartões e começar 2014 em paz, e agora estou sem nenhuma dívida”. A pensionista Erenilda Tavares também tomou a mesma atitude. “Quando a gente está com o cartão fica comprando e comprando, e quando chega a fatura é muito dinheiro pra pagar. Por isso eu decidi não comprar mais nada no cartão, agora pago tudo a vista”, conta.

Economia fluiu

De acordo com o gerente operacional da CDL Caruaru, Zezinho Borba, outros motivos também contribuíram com a queda do número de devedores. “Nós acreditamos que a economia caruaruense fluiu melhor do que a nacional. Também devemos considerar que com os aumentos de juros que foram repassados para a população no ano passado, a abertura de crédito diminuiu e consequentemente o número de inadimplentes”, afirma.

Apesar disso, Borba explica que ainda há uma parcela grande de pessoas endividadas no município. Segundo ele, a população tem o hábito de emprestar documentos para compras parceladas e esse é um caminho que leva ao SPC. “Grande parte dos débitos que ocorrem com as pessoas, principalmente das classes D e E, é devido ao empréstimo de seus documentos para que parentes e amigos façam compras no crediário. Ocorre que devido a falta de pagamento por essas pessoas, o proprietário do documento é quem vai ter que pagar as despesas”, comenta.

com informações do G1 ')}